Bem vindo ao Portal do IGc USP

Notícias


13.06.17 09:46 Tempo: 14 days
Biblioteca

Extremo climático nordestino é acentuado por fenômeno oceânico

 


Segundo o professor da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP, Gustavo Chiessi, o transporte de calor no Oceano Atlântico Sul sofre uma anomalia. Ao contrário do que acontece em outros oceanos, o Atlântico Sul leva o calor do polo do hemisfério em direção ao Equador termal - faixa oceânica com maior temperatura de superfície d?água. No local de atuação dessa faixa, a chuva é intensificada.

As pesquisas apontam que uma redução da intensidade do transporte de calor até o norte aproxima a faixa do Equador termal da região nordestina do Brasil. Assim, as chuvas se tornam mais intensas. O professor afirma que as previsões para o clima nordestino em 2100 levam em conta esse fenômeno, que resultará em uma estação chuvosa mais intensa e um período de seca ainda mais acentuado. Ele esclarece que, nesse cenário de maiores extremos, a região receberá ainda menos precipitação ao longo do ano.

 

Saiba mais em: bit.ly/2tgRCiP

 

 





Direitos Reservados © 1999-2017  Instituto de Geociências - Universidade de São Paulo
Login | Créditos