Bem vindo ao Portal do IGc USP
    

Resumo do Projeto

 

O projeto original propôs a aquisição de sistema de datação pelo método LOE (luminescência opticamente estimulada), via protocolo SAR (single aliquot regeneration ou regeneração de alíquota única), e de microamostrador (micromill) para coleta em escala submicrométrica, com controle visual. O sistema LOE-SAR é constituído por: detector de germânio para espectrometria gama de baixa contagem (HPGe Detector), blindado com chumbo; medidor automatizado de luminescência, com irradiação por fonte β (90Sr/90Y); carrossel para alojamento simultâneo de até 48 alíquotas; acessório para medidas LOE em grãos individuais via laser verde, com sistema de posicionamento X-Y automático; e capela de exaustão de gases para pré-preparação de amostras (purificação de quartzo), incluindo separação de minerais em líquidos densos e ataques em HCl e HF. O microamostrador consiste numa broca de carbeto de tungstênio associada a microscópio óptico com platina de movimento automático e referenciado.

 

A meta maior da aquisição destes dois equipamentos é aprofundar a integração das pesquisas sobre mudanças ambientais no Quaternário (últimos 2,6 milhões de anos da história da Terra), com ênfase na análise isotópica de sucessões microestratigráficas de alta precisão em materiais carbonáticos, via microamostrador, e à implementação no país do método LOE-SAR em grãos individuais, para datação de eventos de sedimentação terrígena (criação do Legal ? Laboratório de Espectrometria Gama e Luminescência). Os materiais carbonáticos a serem coletados com o microamostrador, destinados a datação por 14C AMS, U/Th ou U/Pb e a análises isotópicas de oxigênio, incluem espeleotemas, tufas, travertinos, anéis de crescimento de conchas de moluscos e bioconstruções. Estudos cronológicos e isotópicos de alta precisão nestes materiais têm tido vários desdobramentos em termos de interpretação ambiental. Em espeleotemas, permitem reconstituir mudanças regionais na dinâmica de massas atmosféricas e sua influência na distribuição regional de chuvas. Em lâminas de crescimento biológico (anéis de valvas de moluscos, por exemplo), possibilitam a calibração isotópica de organismos utilizados como indicadores ecológicos. E em vermetídeos (gastrópodo incrustante indicador de paleonível marinho), têm o potencial de permitir o refinamento de curvas de variação de nível relativo do mar (NRM) e de composição isotópica da água costeira. Já os depósitos terrígenos a serem datados por LOE/SAR abrangem paleodunas eólicas e terraços de construção marinha e fluvial, os quais também possuem significado em termos de variações climáticas e/ou de nível de base de erosão ou NRM. A correlação dos resultados geocronológicos obtidos, por diferentes métodos, nestes dois tipos de materiais, representa avanço inédito nas pesquisas sobre mudanças ambientais no Quaternário, tema de apelo e impacto hoje na comunidade científica internacional. Como exemplo, pode-se citar a comparação areias eólicas versus corais e vermetídeos, em contextos costeiros, ou areias de rios subterrâneos versus espeleotemas, em contextos continentais. A aquisição do Sistema LOE-SAR atende a grande demanda da geociências nacional, em termos de método analítico. Apesar do IGc-USP dispor do mais bem equipado e ativo centro de pesquisas geocronológicas da América Latina, não existe nesta instituição equipamento de datação, voltado a sedimentos terrígenos quaternários, que concilie precisão com capacidade de atender demanda numerosa. Pretende-se ainda desenvolver vários outros potenciais de uso dos equipamentos solicitados, em geociências. O microamostrador, por exemplo, será aplicado na coleta ultra-precisa em rochas, fósseis e materiais arqueológicos em geral, independentemente de idade e natureza. E o espectrômetro será utilizado para análise de proveniência e correlação estratigráfica em rochas de qualquer idade, com potencial de uso em medidas de radiação ambiental.

Direitos Reservados © 1999-2017  Instituto de Geociências - Universidade de São Paulo
Login | Créditos